Toledo: Haitianos terão sede de associação no Conjunto São Francisco

Estima-se que o número de haitianos vivendo em Toledo já tenha ultrapassado a marca de dois mil. Seguindo a mesma perspectiva, a previsão é de que tenhamos mais de 300 senegaleses e aproximadamente 40 pessoas de etnias variadas. 

Somente em 2018 foram registrados 200 nascimentos de estrangeiros em Toledo, mas como a maternidade é regional, não se sabe ao certo quantos permaneceram domiciliados aqui. 

Na manhã desta quarta-feira (11) o Prefeito Lucio de Marchi assinou o Decreto Nº 621/2019 que outorga a permissão de uso de um imóvel pertencente ao município à Associação dos Jovens Haitianos que Vivem em Toledo (AJOHAVITO). O principal objetivo da associação é implantar a Central de Informações para o Estrangeiro. 

O ato contou com a presença de vários membros da diretoria da Associação, a Presidente da Embaixada Solidária, Advogada Eliziane Alonço dos Reis, o Assessor Jurídico Paulo Guaraná, o Vereador Marcos Zanetti e a Jornalista Edna Nunes, voluntária da Embaixada Solidária. 

 

O imóvel 

Localizado no Bairro São Francisco III, uma casa em alvenaria de 52,26m² e um terreno de 270m². O imóvel pertencente ao município não era utilizado há anos. A AJOHAVITO estima que seja necessário um investimento de aproximadamente R$ 12 mil entre materiais e serviços para deixar o local pronto para atendimento e que pretendem angariar os recursos com a comunidade. 

O Prefeito disse que a melhor alternativa tanto para o município, quanto para a associação é que seja realizada a permissão de uso do espaço nas condições atuais. “Se o município for revitalizar o espaço vai ser mais burocrático e demorado. Assim, a comunidade poderá fazer uso desse espaço no menor tempo, além de contribuir com as orientações e acolhimento aos estrangeiros que chegam no município”, frisou Lucio de Marchi. 

 

Parceria

A Professora de Idiomas, Ruth Marie Rosena Nicolas, disse que essa parceria representa “uma porta aberta, pois precisamos de visibilidade e de um espaço para atender as pessoas. Também poderemos organizar aulas de português, pois a maioria que chega aqui sofre por não compreender o idioma. É comum não conseguirem acesso aos serviços públicos, pois muitos nem sabem o que tem direito ou não”, explicou a Haitiana. 

O Presidente da Associação, Chanel Tulien, disse que hoje os atendimentos são realizados numa guarita na Associação de Moradores do Jardim Panorama, mas que o espaço não é suficiente. “Com o novo espaço poderemos ajudar melhor as pessoas que procuram emprego, seja ajudando a regularizarem seus documentos ou a entenderem melhor o idioma, pois teremos espaço para organizar cursos. Agradecemos o prefeito por ter aberto essa oportunidade para todos”, salientou Chanel. 

Segundo informações da Embaixada Solidária, a Unioeste está realizando um Censo para identificar a quantidade e o estilo de vida dos estrangeiros, começando por Toledo e depois região. Percebeu-se que até mesmo o comércio local já sofreu interferência com a chegada dos estrangeiros. Produtos que não eram encontrados nos supermercados e lojas passaram a ser ofertados, já com vistas a atender esse novo público. 

 

Fonte: Assessoria.

Foto: Carlos Rodrigues.

Facebook Comments