Risco de transmissão de doenças fecha pombal no Lago de Toledo

AResultados preliminares do estudo piloto da situação sanitária dos animais silvestres de Toledo realizados pela Secretaria de Desenvolvimento Ambiental e Saneamento junto ao Hospital Veterinário da Universidade Federal Campus Palotina nesta semana apontaram indícios de problemas de saúde nas pombas (Columba livia). 

Considerando que existem estudos que apontam diversas doenças que podem ser transmitidas aos seres humanos pelos pombos, o município de Toledo decidiu implementar medidas objetivando  prevenir problemas de saúde pública. Foram encontrados parasitas externos e internos.

Todas as pombas coletadas estavam com piolhos, moscas, parasitos intestinais diversos, isso demonstra que elas estão doentes. A população de pombos é considerada alta e precisa ser controlada para que se evite problemas de saúde pública. 

A Bióloga da Prefeitura, Lilian Cardoso, explica que as pombas domésticas que estão no Parque Ecológico Diva Paim Barth é uma espécie exótica invasora que está amplamente distribuída pelo mundo todo, mas elas não são nativas do Brasil, por conta disso elas se adaptaram a viver nesses ambientes urbanizados, em prédios, telhados, entre outros.

“Essa espécie não vive na área de mato e se alimentam de restos alimentícios, podendo os mesmos contraírem diversas doenças que podem ser transmitidas para os seres humanos, (zoonoses) tais como  problemas respiratórios, meningite, diarréia, as próprias fezes podem conter fungos e causar sérios problemas se inalada”.

“Por conta disso estamos desenvolvendo esse estudo e é importante que as pessoas entendam que elas não devem se aproximar, alimentar ou criar tais animais. Deve-se evitar ao máximo o contato e ao mesmo tempo devemos  adotar outras medidas, suprimindo abrigo, água e alimento”, relata Lilian. 

O Secretário Neudi Mosconi, afirma que devido o Parque ser um local de grande concentração e movimentação de crianças e da comunidade, e após  estudos com resultados preocupantes, é necessário adotar medidas preventivas urgentes e imediatas.

O pombal que atualmente gera abrigo as pombas no Parque Ecológico será fechado, ninhos serão retirados. “Essa ação é para que as mesmas parem de se reproduzir. O fechamento será gradual para que elas possam se adaptar às mudanças. Atualmente há cerca de 250 indivíduos no Parque”.

O secretário destaca ainda que situações mais graves estão ocorrendo no Brasil com registro inclusive de óbitos humanos devido a contaminação da doença conhecida como doença do pombo. 

Os sintomas da Doença do Pombo são:

Dor de cabeça; Febre; Fraqueza; Fadiga; Dor no peito; Náusea; Vômito; Sudorese noturna; Confusão mental; Alteração na visão e falta de ar.

 

Assessoria de Imprensa.

 

Facebook Comments