Prefeitura de Toledo explica alagamentos na cidade

O Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) publicou um “Alerta Laranja” às 10h dessa segunda-feira (19). O aviso prevê possibilidades de tempestades para os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A previsão é de chuva entre 30 e 60 mm/h ou 50 e 100 mm/dia, ventos intensos (60-100 Km/h), e queda de granizo.

Segundo o instituto existe risco de corte de energia elétrica, estragos em plantações, queda de árvores e de alagamentos.

Toledo também não escapou das intempéries e registrou vários pontos de alagamento nos períodos de chuva forte.

Segundo a Secretária de Habitação e Urbanismo, Marilei Rejane Von Borstel, “em outras épocas nós tínhamos um temporal por ano, mas desde outubro de 2017 já tivemos vários e ainda estamos tentando nos recuperar. Em vários lugares ainda estamos recuperando muros caídos de escolas e Cmeis”, exemplificou.

Uma equipe é responsável pela manutenção, limpeza e troca da grelha das bocas de lobo, quando necessário. Quando está obstruída então é necessário chamar a empresa responsável para desentupir. Segundo Marilei, os pontos críticos estão sendo atendidos. A Rua Roberto Fachini é um desses pontos.

“Já fizemos uma intervenção, mas não resolvemos o problema. Na região do Pancera e Filadélfia estamos fazendo um levantamento para ampliação das bocas de lobo. Na Avenida Ministro Cirne Lima também temos projeto para implantação”.

Ela também mencionou a Avenida Maripá entre as ruas Capitão Leônidas Marques e Primeiro de Maio como ponto crítico. Em relação a área central, quando a chuva é intensa, devido a pouca área de permeabilidade, é preciso esperar a enxurrada passar para que as galerias suportem o volume de água.

Na região do Shopping Panambi, aconteceu uma situação inusitada na última sexta-feira (16). Uma calçada de paver próximo ao local cedeu e os sedimentos obstruíram as bocas de lobo próximas, dificultando a passagem da água.

Ela explica ainda, que além do lixo jogado em calçadas, temos um problema com a quantidade de terra e folhas que estão auxiliando a entupir as bocas de lobo.

A Secretária de Planejamento Estratégico, Maísa Carmen Kuhn Fazzolari, informou que já existem novas regras para a aprovação de loteamentos visando evitar ou minimizar esse tipo de situação. Desde o início de 2017 o loteador precisa apresentar o Plano de Controle de Erosão e Contenção de Deflúvio.

Ou seja, uma solução para que a água das chuvas não carregue a terra e outros sedimentos dos terrenos vazios para as galerias de água.

“Para a instalação do loteamento cobramos o dimensionamento do sistema de acordo com a contribuição de água do loteamento e a devida destinação final das águas”, salientou Maísa.

 

ENGAJAMENTO

Cientes de que a solução dos problemas não precisa vir apenas do poder público, a servidora Daniella, do Departamento de Acompanhamento e Execução do Plano Diretor, reuniu a família no final de semana para limpar algumas bocas de lobo próximas a sua casa.

Ao todo foram três bocas no cruzamento das ruas Salvador e Leonir Giaretta, na Vila Becker.

“Juntamos três sacos de lixo contendo isopor de uma obra próxima, folhas, madeiras de galhos, copos plásticos, papel de bala, garrafas pet, sacos plásticos e até um cinto masculino. A garrafa pet trava certinho entre a grelha e o meio fio e isso impede a passagem de água. A nossa preocupação foi evitar que o local se tornasse mais um ponto de alagamento”, disse a servidora. Ela disse que se cada um cuidar do seu lixo e do local onde mora, esses problemas com alagamentos não aconteceriam.

 

Ações recomendadas

O diretor de Operações da Defesa Civil, João Vianei Crespão, fez algumas recomendações no caso dos temporais. “Se ocorrer destelhamentos ou eventos mais severos procurar primeiro se proteger, mas evitar de subir em telhados, principalmente à noite durante a tempestade. Evitar o risco de quedas”.

Também recomendou seguir as dicas do INMET:

* Em caso de rajadas de vento: (não se abrigue debaixo de árvores, pois há risco de queda e descargas elétricas e não estacione veículos próximos a torres de transmissão e placas de propaganda).

* Se possível, desligue aparelhos elétricos e quadro geral de energia.

* Obtenha mais informações junto à Defesa Civil (telefone 199) e ao Corpo de Bombeiros (telefone 193).

Fonte: Assessoria de Comunicação.

Autor: Dielson Kleber Pickler

Facebook Comments