Palestra sobre “Ansiedade e Depressão” abre atividades alusivas ao Setembro Amarelo na Prati-Donaduzzi

Uma palestra abordando duas das doenças que mais afastam pessoas em seus postos de trabalho – “Ansiedade e Depressão” – abriu as atividades alusivas ao Setembro Amarelo na Prati-Donaduzzi, nessa segunda-feira (16). Cerca de 80 colaboradores participaram do bate-papo com o psicólogo, Rodrigo Bonetti. Até quarta-feira (18), serão discutidos temas como valorização da vida, amor próprio e autoestima.

É a primeira vez que a farmacêutica promove atividades alusivas ao Mês de Prevenção ao Suicídio. Segundo a supervisora de Desenvolvimento Humano e Organizacional (DHO), Aline Gorris, a empresa decidiu desenvolver a ação pelo elevado número de pessoas sendo afastadas por dificuldades emocionais.

“Falar sobre depressão, ansiedade e outras doenças ligadas ao emocional ainda é um tabu. Decidimos falar. Mostrar, inclusive, que há uma rede de apoio na empresa e na cidade, preparada para atendê-los”, disse Aline.

Hoje, há 11 milhões de brasileiros com depressão no país.


Depressão nem é tudo de ruim

Segundo o psicólogo, o diagnóstico de uma depressão ou ansiedade pode ser visto como uma nova oportunidade. Um chamado para a ação. Que a pessoa precisa mudar o modo como está pensando. Que pode iniciar uma ação física para controlar uma área da vida.

No entendimento de Bonetti, é um momento precioso, pois todo ser humano vive momentos de ansiedade e tristeza, mas é visto como comum. Quando se é diagnosticado com a patologia, é a vida dando uma justificativa plausível para reformular suas atitudes. Para parar e cuidar do corpo e da mente.

“No dia a dia a sociedade não tem justificativa. A vida está um ‘saco’, mas você precisa continuar. Quando se é diagnosticado com ansiedade e depressão, a pessoa pode parar, se olhar, e rever o que pode mudar. Ao invés de ser um problema, pode ser uma possibilidade”, explicou.

Para o psicólogo, o importante desta situação é cuidar para estar cercado de pessoas preparadas para assisti-la. Ao invés de se fechar, buscar ajuda.

“O ideal é trazer o mundo para mais perto de mim, ao invés de me afastar. Estar perto de profissionais capazes de me auxiliar”, disse.


Como identificar

Durante a palestra, Bonetti colocou a plateia para participar. Ele aplicou a Escala Dass, um questionário composto por 21 questões que ajuda a identificar como estão as emoções. Se o resultado for superior a 30 pontos, mostra a necessidade de buscar ajuda.

Para Fabiana Santos Delava, do setor de Recrutamento e Seleção, foi uma ótima experiência. “É importante cuidar da saúde mental. É ela que nos governa. Se a mente está bem, o corpo reage melhor. A inciativa da Prati é louvável”, disse.

 

Foto: Abilene Rodrigues.

Facebook Comments